Em SP, contagem voto a voto manteve suspense

Alckmin tinha uma estreita vantagem para decidir a eleição no 1º turno, a poucas urnas do fim da apuração

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

04 de outubro de 2010 | 00h00

O candidato do PSDB ao Governo de São Paulo, Geraldo Alckmin, mantinha uma estreita vantagem para decidir a eleição no primeiro turno, a poucas urnas do final da apuração, ontem à noite. Às 21 horas, ele tinha 50,75% dos votos válidos, suficientes para evitar o segundo turno. O candidato do PT, Aloizio Mercadante, estava em segundo lugar com 35,06% dos votos.

Não estavam computados os votos dados aos candidatos "nanicos" Paulo Bufalo, do PSOL, Luis Carlos Prates, o Mancha, do PSTU, e Igor Grabois, do PCB. Os três tiveram as candidaturas impugnadas e entraram com recursos. Os votos, no entanto, não entraram nos boletins parciais do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), embora tivessem sido contabilizados à parte. O TRE informou, no entanto, que o resultado das eleições ao governo paulista seria proclamado independentemente do julgamento dos recursos.

No final da noite, advogados do PT preparavam-se para entrar com petição no tribunal pedindo que os votos dos três candidatos fossem considerados no resultado final.

As advogadas Marcela Cherubini e Debora de Carvalho Batista, estavam no prédio do TRE à espera do presidente do tribunal, Walter Guilherme, para apresentar petição que validasse os votos obtidos Bufalo, Mancha e Grabois.

Elas entraram em contato com ex-ministro da Justiça, Marcio Thomaz Bastos. O líder do PT na Assembleia, Antonio Carlos, também esteve no prédio do TRE. O tribunal informou, no entanto, que os recursos só produziriam efeitos depois que fossem julgados

O problema começou com a impugnação da candidatura do candidato a vice na chapa de Paulo Búfalo, do PSOL, com base na lei da Ficha Limpa. O partido informou ter protocolado na última sexta-feira pedido de substituição do candidato para garantir a validade dos votos dados a ele.

De acordo com advogados do partido, a substituição foi realizada dentro do prazo legal e os documentos foram aprovados. Porém, por questões técnicas e protocolares, a Justiça Eleitoral não conseguiu alterar o sistema para que os votos do candidato fossem divulgados.

Às 21 horas, Paulo Búfalo tinha 43.135 votos (0,34%), enquanto Mancha registrava 14.481 (0,07%) e Igor Grabois, 8.305 (0,06%). As respectivas votações serão divulgados na totalização final dos votos, que só deve sair na tarde de hoje

Com a substituição do vice de Paulo Bufalo, o Professor Aldo Santos, o PSOL indicou para seu lugar Antônio Carlos da Cruz, metalúrgico, ex-diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de Campinas e Região, conhecido como Tonhão.

Em nota, o partido reafirmou a confiança de que Aldo Santos é inocente e também apresentou defesa nesse processo. O PSDB não havia se manifestado, até o final da noite, sobre o impasse.

Hegemonia. Os resultados do primeiro turno, embora dependentes de homologação pelo TRE, mostram que o PSDB pode ampliar para 20 anos sua hegemonia em São Paulo, caso se confirme a vitória de Geraldo Alckmin. O resultado, porém, foi mais apertado do que as eleições de 2006, quando José Serra elegeu-se no primeiro turno com 57,9% dos votos.

No cômputo geral, o PSDB perdeu eleitores e o PT arrebanhou parte deles. Nas eleições para o governo paulista, há quatro anos, o principal adversário dos tucanos também era o petista Aloizio Mercadante.

Desde a eleição de Mário Covas para o Governo do Estado em 1994 os tucanos não cedem tanto espaço para o PT em território paulista.

Regiões. Alckmin venceu em todas as regiões do Estado, mas o petista cresceu na Grande São Paulo. O tucano repetiu as vitórias do pleito anterior em Santo André, Osasco, São Bernardo e Guarulhos, mas Mercadante venceu em um número maior de cidades, entre elas Diadema, Mauá e Itapevi.

Na capital, a vitória de Alckmin foi mais apertada, embora tenha ganhado no maior número de zonas eleitorais. Mas o tucano reeditou o desempenho de Serra em Campinas.

O candidato do PSDB confirmou o bom desempenho em tradicionais redutos tucanos, como Ribeirão Preto, Sorocaba, Piracicaba e São José dos Campos, e manteve a liderança da sigla em Campinas. Mas a diferença de votos para o candidato petista diminuiu. Mercadante cresceu em municípios de regiões mais próximas da Grande São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.