Em Taubaté, preso homossexual receberá visita íntima

Segundo juíza, negar o pedido apenas por se tratar de um casal homossexual feriria princípios da igualdade e dignidade assegurados pela Constituição

Priscila Trindade, estadão.com.br

22 de setembro de 2010 | 12h10

SÃO PAULO - A Vara das Execuções Criminais de Taubaté, no interior de São Paulo, autorizou um preso homossexual a receber visita íntima de seu companheiro no Centro de Progressão Provisória da cidade.

A juíza Sueli Zeraik de Oliveira Armani afirmou em sua decisão que negar o pedido apenas por se tratar de um casal homossexual feriria o princípio constitucional da igualdade, que coíbe qualquer forma de discriminação, e o princípio da dignidade e bem-estar da pessoa humana, que reconhece a liberdade de orientação sexual.

"Uma vez autorizada e praticada (a visita íntima), o direito é de todos e assim deve ser exercido, sob pena de se estar prestigiando discriminações injustificadas e inaceitáveis, moral e juridicamente", disse a magistrada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.