Em tempos de cortes, Congresso dobra gastos

Compras e obras explicam maior uso de verba por parte de deputados e senadores; em valores nominais, maior despesa foi da Justiça do Trabalho

MARTA SALOMON / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

11 Outubro 2011 | 03h05

No mesmo período em que os investimentos da União caíam 10%, a Câmara e o Senado dobraram seus gastos com obras e compra de equipamentos, segundo estudo com base em números do Tesouro Nacional.

De janeiro a setembro de 2011, o Senado comprou equipamentos de imagem e som e de processamento de dados, informa o Siafi, sistema de acompanhamento de gastos da União. No total, a Casa consumiu R$ 21,7 milhões.

Na Câmara, os gastos se concentraram em obras e compra de móveis. Sem considerar as contas pendentes dos anos anteriores, os deputados consumiram R$ 8,8 milhões em obras e mobiliário "em geral". Aparelhos e utensílios domésticos custaram quase meio milhão de reais.

Segundo o deputado Júlio Delgado (PSB-MG), 4º-secretário da Câmara, o dinheiro foi destinado à reforma de apartamentos funcionais dos deputados. Novas licitações para a reforma de outros três prédios de apartamentos estão em curso.

Proporcionalmente, o Congresso registrou por ora o maior aumento de gastos com investimentos. Mas a Justiça do Trabalho superou, em volume de verbas, a elevação de investimentos de deputados e senadores. Com obras e compra de equipamentos, a Justiça do Trabalho gastou R$ 43 milhões a mais de janeiro a setembro deste ano do que no mesmo período de 2010.

No ranking dos ministérios que aumentaram gastos, Transportes é seguido pelo Ministério da Educação, cujo titular, Fernando Haddad, é pré-candidato à Prefeitura de São Paulo. A pasta investiu R$ 4,2 bilhões em 2011, R$ 258 milhões a mais que no mesmo período de 2010.

O aumento ficou próximo do registrado por outro ministério atingido pela "faxina", mas de orçamento mais magro. A Agricultura pagou R$ 259 milhões a mais em investimentos. Depois de Integração Nacional e Cidades, a maior queda nos investimentos ocorreu na Saúde. / M.S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.