Em último discurso, Lula está confiante na vitória

No último comício da campanha, na Capela do Socorro, zona sul da Capital, o presidente e candidato à reeleição, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), recuperou a confiança demonstrada no final do primeiro turno e voltou a dar como certa sua permanência no Palácio do Planalto por mais quatro anos. Com base na última pesquisa Datafolha, o petista ressaltou a satisfação de ter conseguido a melhor avaliação de um governo dos últimos 15 anos e aproveitou para desafiar seus adversários a conseguirem um resultado como este depois de "apanhar" da imprensa por quatro anos. Ele também destacou seu esforço em trabalhar pelos mais pobres em seu primeiro mandato, e ressaltou que abriu as portas do Planalto para aqueles que no passado nunca tiveram esta oportunidade. "Eu não tenho dúvida de que vamos ganhar as eleições no próximo domingo", afirmou. Lula contou ainda do seu orgulho em ter recebido na manhã desta quarta, no Palácio do Planalto, um grupo de moradores de rua e catadores de papel. "É preciso ficar claro que aquele palácio não é de meia dúzia, é da população deste país." O petista afirmou que esta forma de governar permitiu que fosse aberta uma porta para que seja consolidada a democracia brasileira. "O País precisa ser governado por alguém que tenha compreensão da totalidade da população brasileira", defendeu. O candidato voltou a cobrar os adversários a encaparem a tese de que seu governo estaria promovendo uma separação entre ricos e pobres, comparando sua gestão de governo com uma mãe que pode ter até 50 filhos para criar. Lula disse que o importante é dar mais atenção aos mais necessitados. Apoio de amigosAntes de discursar Lula ouviu palavras de apoio de seus aliados, que, assim como ele próprio, deram como certa a vitória no próximo domingo. "Vamos ter a maior votação que um presidente da república já teve", disse o senador Aloizio Mercadante, derrotado na disputa pelo governo paulista. "Este é o presidente que mais fez por quem mais precisa", emendou a ex-prefeita de São Paulo Marta Suplicy. "Nós vamos mais uma vez derrotar esta elite e fazer do Brasil um país infinitamente mais justo", disse o líder do governo na Câmara, o deputado federal reeleito Arlindo Chinaglia (PT- SP), no palanque. Repetindo o jingle utilizado por Lula neste segundo turno, o presidente estadual do PT Paulo Frateschi acrescentou: "Deixa o homem trabalhar". Responsável por animar os militantes no comício, o presidente municipal do PT na capital paulista, Paulo Fiorilo, engrossou o coro. "Nossa tarefa até o dia 29 é ganhar ainda mais votos para reeleger o presidente Lula", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.