Em vez de um apagão, um ?secão? em São Paulo Rio, e Minas

A estiagem que atinge a Bacia do Alto Tietê e ameaça São Paulo com o racionamento de água pode causar os mesmos efeitos no Rio de Janeiro. É o que alerta o Conselhopara Integração da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul (Ceivap). De acordo com o presidente da entidade, o prefeito deResende (RJ) Eduardo Meohas, a média do nível de armazenamento dos quatro reservatórios da bacia do Rio Paraíba do Sul,responsável pelo abastecimento de cidades nos estados do Rio, São Paulo e Minas Gerais, é o mais baixo de todos os temposdurante a estação chuvosa: 27% da capacidade. A situação mais grave está no reservatório da cidade de Paraibuna (SP), onde aágua atinge somente 22% o total. No mesmo período do ano passado, em que a situação já tinha sido considerada grave, o nível era 30% maior. Apesar de toda a chuva que se viu na cidade de São Paulo na última semana, não chove na cabeceira do Rio Paraíba, próxima àbacia do Alto Tietê, na cidade paulista de Paraibuna. ?Está chovendo no lugar errado. Se não chover na cabeceira do Paraíba, teremos racionamento no Rio no fim deste ano. O Rio vai ser São Paulo amanhã?, compara Meohas. Na próxima quinta, Meohas se encontra com prefeitos do Rio, de Minas e de São Paulo para discutir medidas para evitar oracionamento. A necessidade de armazenar água no verão vem da queda natural do volume nos reservatórios durante a estiagem.A média histórica que era superior a 40% vem caindo e atingiu o nível mais baixo em setembro do ano passado: 13,5%. ?Atendência é cair este ano para menos de 10%. Se isso acontecer, teremos de fechar as torneiras e iniciar o racionamento. Seisso acontecer, afetará não só as residências, mas também as empresas. Em vez de apagão, teremos um secão, comconseqüências graves para a economia do estado. Sem falar que não pode haver Pan em 2007 numa cidade sem água?, adverteo prefeito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.