Embaixada do Brasil investiga morte de missionária na África

A embaixada brasileira e a igreja luterana acompanham de perto as investigações sobre a morte da missionária Doraci Edinger, que vivia em Nampula, Moçambique. O corpo de Doraci foi encontrado na terça-feira dentro do apartamento onde a missionária luterana morava. Segundo o Ministério das Relações Exteriores, a embaixada em Maputo já providencia os papéis necessários para que o traslado ao Brasil, possivelmente para a cidade gaúcha de São Leopoldo. Ainda não há data marcada para otransporte, a ser pago pela igreja luterana brasileira.Em Nampula, Segunda a Agência Brasil, a missionária ajudava na construção de escolas e de postos de saúde. Também auxiliava a instalação de poços artesianos nas comunidades rurais. Nos seis anos em que esteve em Moçambique, Doraci disseminou o plantio de pés de caju e a distribuição de outras sementes. Não há dúvidas de que ela tenha sido estuprada e assassinada. Há algum tempo, em um relatório oficial escrito à igreja brasileira, Doraci Edinger mencionou que o trabalho de assistência social era muitas vezes dificultado pelas ameaças de morte que sofria. Uma das hipóteses investigadas pela polícia é a de que a missionária sabia sobre o tráfico internacional de órgãos, que envolve crianças da comunidade onde trabalhava.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.