Embaixador do Chile pedirá extradição de seqüestradores

O embaixador chileno no Brasil, Carlos Eduardo Mena, afirmou hoje que a justiça de seu país deverá iniciar em breve os procedimentos jurídicos para pedir a extradição de Maurício Hernández Norambuena, líder do grupo que seqüestrou o publicitário Washington Olivetto. O embaixador disse ainda que estão em curso investigações para detectar o eventual ressurgimento de grupos guerrilheiros no Chile. "Por enquanto, não há nenhum indício que aponte para isso, mas nossos organismos de segurança estão trabalhando", disse.Mena afirmou que há um claro interesse do governo chileno na extradição de Norambuena, condenado por atos de terrorismo pela justiça chilena a duas penas de prisão perpétua. "O Brasil e o Chile tem um acordo de extradição que data de 1937 e estabelece as normas jurídicas que devem ser seguidas", argumentou o embaixador. "Isso não é um assunto tratado pelo governo chileno, mas pela Suprema Corte da Justiça", complementou.De acordo com o embaixador, o pedido de extradição deverá ser feito pelos juízes que presidem os processos contra Norambuena.Mena confirmou ainda que a polícia do Chile está em contato com a polícia brasileira para ajudar na identificação dos outros seqüestradores, que também seriam chilenos. "Este é um trabalho realizado entre as polícias. Por enquanto não há nenhuma equipe de policiais chilenos no Brasil, mas com certeza eles deverão vir", antecipou. "A nós, do serviço diplomático, cabe obter um maior volume de informações possível para enviar ao nosso governo", complementou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.