Embaixador vê acordo como novo diálogo bilateral

O último documento sobre a cooperação bilateral na área de defesa foi assinado nos anos 50 e vigorou até 1977, na gestão do general Ernesto Geisel.

Denise Chrispim Marin, O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2010 | 00h00

Assinado por Nelson Jobim e Robert Gates, o acordo marca uma nova estrutura do diálogo bilateral e traz "mudança criativa na maneira de os dois países entenderem as relações entre suas Forças Armadas", segundo o embaixador americano no Brasil, Thomas Shannon.

Mais que envolver exercícios militares conjuntos, os oito artigos do texto lançarão bases jurídicas para futuras compras mútuas de produtos e serviços, além da transferência de tecnologia de sistemas e equipamentos. O acordo não envolverá a instalação de bases militares no País. /

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.