Embarcação fica à deriva na costa da Bahia

Uma pessoa segue desaparecida desde o início da noite de domingo, quando o catamarã Biônica de Tinharé, embarcação pertencente à empresa Biotur que transportava 132 pessoas, ficou à deriva quando seguia em direção a Salvador, logo após sair de Morro de São Paulo, vilarejo localizado ao norte da Ilha de Tinharé, no Baixo Sul da Bahia, região da costa do Dendê.Os problemas tiveram início quando começou a entrar muita água na embarcação, por conta do forte vento. Às 19h30, ao ver que o catamarã estava à deriva, a tripulação distribuiu coletes aos passageiros, mandou todos entrarem nos botes disponíveis e pediu socorro à Capitania dos Portos, que providenciou as lanchas Isabela I e Isabela II, além de outro catamarã. O Biônica deveria ter chegado a Salvador por volta das 19 horas.As pequenas embarcações encontraram as vítimas próximo da Vila de Caixa-Pregos, localizada no município de Vera Cruz, na Ilha de Itaparica, a sete léguas da costa. Segundo nota divulgada pela Capitania dos Portos, apenas Ananias Bernardino da Silva, 61, continua desaparecido. De acordo com a mulher dele, que também estava na embarcação, Silva sabe nadar e estava com o colete salva-vidas quando desapareceu.Os primeiros barcos de resgate chegaram ao local por volta das 21h30. Passava da meia-noite quando os primeiros náufragos chegaram a Salvador, alguns deles com sintomas de hipotermia. Não foram registrados casos de passageiros com ferimentos graves.Segundo a Capitania dos Portos, o catamarã foi rebocado para Valença, onde vai ser periciado. A empresa proprietária da embarcação comunicou que o catamarã era novo e que estava autorizado a transportar o número de passageiros que tinha na hora do acidente. Um inquérito foi instaurado para investigar as causas do naufrágio.Esta matéria foi atualizada às 10h48 para acréscimo de informações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.