Embraer reduz previsões após prejuízo no 3o tri

A Embraer, terceira maior fabricante de aviões comerciais do mundo, diminuiu sua previsão de receita para este ano depois de anunciar na noite de quarta-feira um prejuízo líquido no terceiro trimestre.

REUTERS

03 Novembro 2011 | 07h33

A Embraer teve prejuízo líquido de 200 mil reais no terceiro trimestre, contra lucro líquido de 220 milhões de reais um ano antes, decorrente de impostos maiores causados pelo real mais fraco e ativos em dólar mais valorizados.

A fabricante de aviões reduziu a previsão de receita líquida em 2011, afirmando que pode não atingir a meta de 5,8 bilhões de dólares por cerca de 200 milhões de dólares, o que se deve à entrega de jatos executivos.

O terremoto no Japão em março deste ano interrompeu a produção de turbinas da General Electric utilizando peças japonesas, o que ajudou a reduzir quase pela metade as entregas da Embraer para o quatro trimestre.

Ainda assim, a Embraer manteve um fluxo fixo de novos pedidos e aumentou a lista de encomendas de companhias para 16 bilhões de dólares, apesar do esfriamento da economia mundial que levou a concorrente Bombardier a reduzir a produção do jato regional CRJ porque as empresas adiaram novas encomendas.

De julho até setembro, a Embraer entregou 28 aviões comerciais regionais, contra 20 no mesmo período de 2010, aumentando a receita do terceiro trimestre em 25 por cento em relação a um ano antes e elevando a rentabilidade operacional.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação, em inglês) aumentou 37 por cento ante um ano atrás, para 311 milhões de reais.

A margem Ebitda aumentou 1,2 ponto percentual em relação ao terceiro trimestre de 2010, para 13,7 por cento.

A fabricante de aviões manteve a meta de Ebitda para este ano apesar da receita menor, acrescentando que a margem Ebitda pode superar a previsão inicial de 12 por cento.

(Por Brad Haynes)

Mais conteúdo sobre:
AEREAS EMBRAER RESULTS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.