Embratel lamenta morte de executivo em seqüestro

A Embratel comunicou hoje, em nota à imprensa, o falecimento de seu diretor de Tecnologia da Informação, Paulo de Souza Moraes. O executivo foi morto ontem depois de ser vítima de uma tentativa de seqüestro relâmpago, próximo ao aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo. Perseguidos pela Polícia Militar, os bandidos atiraram em Moraes, que morreu com um tiro à queima-roupa no pescoço.Com 57 anos, Moraes ocupava a Diretoria de Tecnologia da Informação da Embratel desde fevereiro do ano passado. "A Embratel perde um excelente profissional que exerceu suas atividades com dedicação e, principalmente, dignidade", diz a empresa em nota oficial.Antes de ingressar na Embratel, Moraes foi diretor da Andersen Consulting (hoje Accenture) e diretor-executivo do Centro de Computação Eletrônica da Universidade de São Paulo. Ele era formado em engenharia civil pela Escola Politécnica da USP, com mestrado pela Universidade de Michigan em Ann Arbor, EUA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.