Emissora de TV é alvo de atentado criminoso no interior do Paraná

Dois homens atiraram ao menos 15 vezes contra o prédio da RPC-TV em Maringá; ninguém se feriu

Evandro Fadel, O Estado de S.Paulo

29 Agosto 2011 | 16h25

CURITIBA - A sede da Rede Paranaense de Comunicação (RPC-TV) em Maringá, a cerca de 430 quilômetros de Curitiba, no norte do Paraná, afiliada à Rede Globo, foi alvo de um atentado na madrugada desta segunda-feira, 29. Segundo uma testemunha, dois homens que estavam em uma motocicleta deram pelo menos 15 tiros de pistola 9 milímetros e ponto 40 contra o prédio. Vidros quebraram-se e paredes internas foram atingidas, mas ninguém ficou ferido.

 

Imagens de uma câmera, mostradas pela própria emissora, mostram que uma motocicleta passa na contramão à 1h19 da madrugada. Cinco minutos depois ela retorna. "São imagens ruins, que não dá para identificar as pessoas", lamentou o delegado chefe da 9ª Subdivisão de Polícia Civil, Osnildo Carneiro Lemes. "Mostra mais a calçada e a parte interna."

 

Uma equipe do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) vai ajudar nas investigações, que ainda não têm linha definida. No dia 30 de julho, dois homens, também em uma motocicleta, deram dez tiros de pistola 9 milímetros contra o prédio da Câmara de Vereadores de Maringá. Ninguém foi preso e a polícia ainda não conseguiu determinar a motivação desse atentado.

 

Lemes não descartou a possibilidade de ligação e determinou que a Criminalística compare as cápsulas. "A princípio, não estão querendo matar, porque nos dois casos os seguranças estavam expostos e não foram atingidos", disse o delegado. "Parece que querem chamar a atenção para algo, dar recado para alguém e desestabilizar as instituições", destacou. "É um ataque à sociedade."

 

Motivos. Em nota, a RPC TV disse que "desconhece qualquer razão que possa motivar o atentado." Nenhum jornalista estaria trabalhando em reportagem com denúncias que pudessem motivar o atentado. A emissora lançou recentemente uma campanha estadual contra a violência, que tem como lema Paz Sem Voz é Medo. O delegado ressaltou que, por parte da polícia, há um trabalho bem acentuado de combate a grupos de traficantes, o que poderia estar descontentando alguém. "É uma possibilidade", ponderou.

 

A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) emitiu uma nota pedindo empenho das autoridades para identificar e punir os autores do atentado. "A ação criminosa é uma evidente tentativa de intimidação ao veículo de comunicação que é reconhecido por sua linha editorial independente e o seu compromisso com os interesses da comunidade", disse a nota.

 

"A Abert repudia com veemência mais este ataque a uma emissora brasileira, e insiste na necessidade de que as autoridades assegurem às empresas de comunicação e a seus profissionais o direito ao livre exercício da atividade jornalística."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.