Empregada acusada de matar jovem em Brasília vai a juri popular

Ela pode ser condenada pelo júri popular a uma pena de até 58 anos de prisão por crime ocorrido em 2004

13 de novembro de 2007 | 02h07

O julgamento da empregada doméstica Adriana de Jesus Santos acusada de matar a estudante Maria Claudia Siqueira Del'Isola, 19 anos, em 2004 começou na manhã desta segunda-feira, 12. A sentença deve sair por volta das 4 horas desta terça-feira, 13. Ela pode ser condenada pelo júri popular a uma pena de até 58 anos de prisão em regime fechado. O crime aconteceu na casa da vítima em dezembro de 2004, no Lago Sul, bairro nobre da capital do País. Santos contou com a ajuda do caseiro Bernardino do Espírito Santo, acusado também de estuprar a jovem. Os réus, que na ocasião eram namorados e trabalhavam para a família da estudante, confessaram o crime. Maria Cláudia foi morta a golpes de pá e facadas. O julgamento de Bernardino está marcado para o dia 10 de dezembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.