Emprego e consumo não caíram em Nova York

Fosse filmado hoje, o clássico Bonequinha de Luxo não poderia contar com o charme da atriz Audrey Hepburn, símbolo de elegância, dando as suas baforadas por Nova York. A cidade baniu o cigarro em locais públicos em 2003 e, atualmente, não é permitido fumar em 75% dos restaurantes com mesas localizadas do lado de fora. Quando iniciou a sua campanha antitabagista, o prefeito Michael Bloomberg enfrentou a ira de donos de bares, restaurantes e casas noturnas, que ameaçavam boicotar a lei criando salas secretas para fumantes, nos moldes do que ocorreu com a chamada "lei seca", que tornou ilegal o comércio de bebidas no país entre 1920 e 1933. Os empresários tentaram até oferecer sociedade a funcionários, afetados diretamente pela fumaça, em troca de apoio - com a proibição do cigarro, eles acreditavam, os clientes sumiriam. Um ano após a lei entrar em vigor, porém, o setor de bares e restaurantes registrou aumento de 8,7% nos negócios, medido pelos impostos recolhidos. E 10.600 postos de trabalho foram criados, segundo as autoridades nova-iorquinas.Fumantes contumazes ainda chiavam. "Nós somos muito tolerantes com os não-fumantes, desde que se vistam bem", ironizou Jay McInerney, em artigo da New York Magazine. "Se está preocupado com os nossos pulmões, por que Bloomberg não tira os carros das ruas?" Bloomberg respondeu com uma pesquisa do Departamento de Saúde de Nova York, segundo a qual garçons e bartenders tinham 50% mais riscos de desenvolver câncer. Estima-se que 65 mil fumantes passivos morrem por ano nos Estados Unidos vítimas de doenças associadas ao cigarro. A primeira cidade americana a banir o fumo em locais públicos fechados foi São Luis Obispo, na Califórnia. Sob o governo do ex-ator Arnold Schwarzenegger, até praias e parques se tornaram espaços para não-fumantes - em algumas delas, o cigarro é proibido mesmo ao ar livre. Metrópoles como Paris, Londres e Tóquio adotaram a onda antitabagista. No Japão, mais de 60 cidades aprovaram leis que restringem o fumo até mesmo nas ruas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.