Empresa asiática pode levar nova multa se não retirar lixo de porto gaúcho

Valor pode chegar a R$ 3 milhões se empresa não cumprir ordem até a próxima segunda; 22 toneladas de resíduos estão em Rio Grande desde o último dia 3

Elder Ogliari, O Estado de S. Paulo

18 de agosto de 2010 | 19h22

PORTO ALEGRE - O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) poderá aplicar nova multa, dobrando o valor da primeira - de R$ 1,5 milhão para R$ 3 milhões - à transportadora sul-coreana Hanjin Shipping caso a empresa não retire as 22 toneladas de lixo doméstico urbano apreendidas no porto do Rio Grande até a próxima segunda-feira.

 

A advertência foi feita pelo diretor de qualidade do órgão, Fernando Marques, nesta quinta-feira. Se o impasse não se resolver pelas vias administrativas poderá ser levado aos tribunais.

 

O contêiner de lixo encontrado pela Receita Federal no porto do Rio Grande no dia 3 de agosto contém embalagens e restos de fraldas descartáveis, batata frita, molho de tomate, sucos, fertilizantes, ração de cães e até uma minhoca. Segundo o Ibama, os resíduos, originários da República Tcheca, foram embarcados no porto de Hamburgo, na Alemanha, pela empresa Dashan, de Hong Kong, e transportados para o Brasil pela Hanjin.

 

A importadora é a Recoplast Recuperação e Comércio de Plástico, de Esteio, que alega ter comprado aparas de polímeros de etileno, um resíduo industrial limpo utilizado na fabricação de sacolas e embalagens, e não o lixo doméstico que iria receber se a carga não fosse interceptada. A empresa também foi multada, no valor de R$ 400 mil, e promete provar que agiu de boa fé quando apresentar a defesa administrativa.

 

Apesar do potencial de gerar chorume e contaminar o meio ambiente, a carga é pequena se comparada com a de 1,4 mil toneladas de lixo descobertas no ano passado em Rio Grande, Santos e Caxias e devolvida à Inglaterra. Por causa disso, uma das hipóteses levantadas pelos fiscais do Ibama é a de que a operação tenha sido um teste para detectar se a vigilância portuária brasileira está atenta.

 

O Brasil também tem 60 dias de prazo para notificar a ocorrência à Convenção da Basileia, que poderá cobrar explicações da Alemanha pela permissão para despacho de uma carga irregular num de seus portos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.