Empresa de ônibus acusada de contratar menor como segurança

A empresa de ônibus Viação Barão de Mauá, que atende a praticamente todo o município de Mauá, na Grande São Paulo, está sendo acusada por um de seus motoristas, Jucemar Sanchez, de "contratar" um adolescente para trabalhar, armado, como segurança dentro dos coletivos. O menor foi atingido por um tiro quando estava no ônibus. A história também foi confirmada pelo próprio menor, de 17 anos, e pelo sobrinho dele, outro adolescente, de 16 anos, que, ao ficar sabendo que o tio havia sido baleado, foi até o 1º Distrito Policial de Mauá, onde prestou depoimento ao delegado Luiz Ricardo de Lara Jr. Segundo o boletim de ocorrência, por volta das 21h30 de quarta-feira, na Rua Davi Buscariol, no Jardim Novo Oratório, em Mauá, dois homens, armados, atiraram contra menor que estava dentro do coletivo. O adolescente, também armado, foi atingido em um dos braços e de raspão na cabeça, mas não revidou. Policiais militares foram acionados e encaminharam o menor ao pronto-socorro. Segundo o adolescente baleado e o motorista, a empresa resolveu contratar o menor como segurança, para intimidar pessoas de uma favela na região que entravam no ônibus e se recusavam a pagar a passagem. Até às 3h45 desta madrugada nenhum funcionário ou diretor da Viação Barão de Mauá havia aparecido na delegacia para dar explicações sobre a acusação feita contra a empresa de ônibus. Os dois homens que feriram o menor fugiram.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.