Empresa de ônibus de São Paulo está parada

Motoristas e cobradores da Viação Cidade Tiradentes, que opera na zona leste de São Paulo, cruzaram os braços nesta terça-feira por causa do atraso do pagamento do salário. Houve audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), mas os trabalhadores, empresários e a São Paulo Transportes (SPtrans) não chegaram a um acordo.De acordo com o diretor do Sindicato dos Motoristas e Cobradores, José Domingos da Silva, a greve continua. "Recebi orientação do presidente." Também está atrasado em 48 horas o pagamento das férias de oito funcionários e dos tíquetes-alimentação de mais dez. Os motoristas reclamam ainda de más condições de trabalho.Segundo a SPtrans, cerca de 90 mil passageiros foram prejudicados. Ao todo, 1.870 trabalhadores pararam. Silva afirmou que a decisão de fazer greve foi tomada na noite desta segunda-feira. "O dinheiro não foi liberado, e o TRT deu prazo até ontem para a empresa fazer o pagamento."A reportagem deixou recado nos dois celulares do presidente do sindicato, Edvaldo Santiago, mas ele não respondeu às ligações. Segundo a SPtrans, a Viação Cidade Tiradentes esteve sob intervenção entre 1º e 17 de setembro de 2002 e entre 22 de outubro e 22 de janeiro.Segundo a assessoria do TRT, os proprietários, Samy Gelman Jaroviski e Marcos José Cândido, não compareceram à audiência. O Estado não encontrou os empresários na viação. Na reunião, os trabalhadores afirmaram que os donos estariam deixando de investir na manutenção da frota, desviando o dinheiro para outros fins.Apresentaram notas de pagamento de vôos de helicóptero e uma conta de telefone, de 2001, no valor de R$ 5 mil. Agora, a greve será julgada pela Seção Especializada em Dissídios Coletivos do TRT, na quinta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.