Empresa de ônibus de São Paulo opera em condição crítica

A situação da Empresa Tiradentes, que opera 22 linhas na zona leste de São Paulo, está crítica. Cerca de 50 ônibus estão parados sem peças para reposição e outros 40 deverão ser retirados de circulação por falta de óleo diesel, conforme informou nesta quinta-feira o vice-presidente da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) Iomar de Sousa."Há 50 carros no bacalhau (veículos parados de onde são retiradas peças para serem colocadas em outros ônibus), e 71, entre eles 30 novos, foram apreendidos pelos bancos Real, Bradesco e Crefisa, já que a empresa não quitou os financiamentos", informou Sousa. "Com isso, a frota operacional, que era de 330 carros, caiu para 270 e hoje (quinta-feira) circularam apenas 180."Sousa crê que hoje outros "40 ou 50" veículos deixarão de rodar por falta de óleo diesel. "Hoje (quinta) seriam adquiridos 10 mil litros, que não puderam ser comprados."De acordo com o presidente da SPTrans, Gerson Luís Bittencourt, uma comissão formada por empresários, trabalhadores e representantes da própria entidade já está trabalhando para solucionar os problemas da empresa. Os salários atrasados serão pagos a partir da próxima semana.Nesta quinta-feira, a SPTrans requisitou os ônibus da Viação América do Sul, que estava parada depois de ser entregue à entidade pelo antigo dono, Vagner Almeida Vieira. A SPTrans também convocou os funcionários para a volta ao trabalho, e hoje a empresa deve funcionar normalmente. Nos últimos dias, os passageiros usaram veículos do Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência (Paese).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.