Empresa diz que raio causou apagão nos telefones

A Trópico, fabricante brasileira de equipamentos de telecomunicações, informou ontem que os raios da tempestade de anteontem na Grande São Paulo afetaram três dispositivos que forneceu à Telefônica, e levaram posteriormente à interrupção do sistema telefônico. Em nota oficial, a empresa assumiu a responsabilidade pelos transtornos que silenciaram até serviços essenciais, de emergência.

Renato Cruz e Chiara Quintão, O Estadao de S.Paulo

10 de setembro de 2009 | 00h00

Os equipamentos estavam localizados nos bairros da Liberdade, Perdizes e Americanópolis e eram responsáveis por orientar as chamadas na rede. Outro, instalado no Ibirapuera, não foi atingido. A Trópico é responsável pela manutenção e suporte técnico.

A Telefônica informou que vai ressarcir as vítimas da pane. A compensação será concedida para todos os clientes da área com código 11 e não será necessário reivindicar o desconto. Em relação aos clientes corporativos, a empresa diz que já iniciou diálogo para definir os descontos.

O superintendente de serviços privados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Jarbas Valente, disse ontem que o órgão regulador não sabe ainda "o que aconteceu de fato". A agência investiga o problema e, caso se comprove falha na gestão, a Telefônica poderá ser punida. O governo estadual e as autoridades de segurança pública estudam alternativas, após a maior interrupção já registrada na história dos serviços 190 (polícia) e 193 (bombeiros).

A empresa informou que os trabalhos de estabilização do serviço de voz priorizaram o restabelecimento dos serviços de utilidade pública. "Abrimos procedimento para apurar se houve falhas da Telefônica. Têm sido recorrentes as panes na empresa, que lidera os rankings de reclamações do Procon", afirmou o secretário de Justiça e Defesa da Cidadania, Luiz Antônio Marrey. "Já estamos estudando se os serviços 190 e 193 podem funcionar de forma independente ou por outro mecanismo, para não ficarmos reféns."

Segundo Marrey, se as investigações apontarem erro da Telefônica, a multa é de até R$ 3 milhões.

COLABOROU FERNANDA ARANDA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.