Empresa terá que repor 60 mil árvores em Sorocaba

A distribuidora de energia elétrica CPFL-Piratininga terá que doar 60 mil mudas para compensar as podas drásticas que vêm realizando na arborização pública em bairros de Sorocaba, a 92 quilômetros de São Paulo. A exigência, feita pela Curadoria do Meio Ambiente do Ministério Público, foi aceita pela empresa. As mudas serão destinadas a um projeto de arborização da prefeitura que prevê o plantio de 150 mil espécimes em toda a cidade, no próximo ano. A Piratininga vai colaborar também com a divulgação desse projeto. A empresa foi acionada pelo Ministério Público da Comarca em razão de queixas dos moradores contra as podas realizadas por funcionários em vários bairros da zona urbana. Na Vila Angélica, a população protestou contra o corte dos galhos superiores de uma fileira de flamboyants plantados no canteiro central da Avenida Ipanema. Segundo a Sociedade Amigos de Bairro (SAB), a poda desfigurou as árvores. Na Vila Santana, o corte atingiu árvores conhecidas como chapéus de praia. No Central Parque, foram podadas de forma drástica dezenas de sibipirunas. Moradores do bairro Santa Rosália reclamam que o corte exagerado dos pinheiros que ornamentam a Avenida Senador Roberto Simonsen prejudicou a estética do bairro. O chefe da Seção de Construção e Manutenção da empresa, Hugo de Abreu Rangel, disse que as podas são necessárias para evitar danos à fiação elétrica. Segundo ele, esse trabalho é feito por funcionários treinados, com a assessoria de engenheiros agrônomos. Também houve queixas contra podas recentes realizadas pela prefeitura na Praça Nove de Julho e Avenida General Carneiro. A redução das copas foi praticada durante obras de reurbanização desses logradouros. Segundo a prefeitura, a Secretaria de Serviços Públicos recebe em média 300 pedidos de cortes de árvores por mês, mas só são atendidos casos em que os espécimes estão doentes, causam danos à infra-estrutura urbana - as raízes estouram calçadas ou o asfalto, por exemplo - ou estão sob risco de desabamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.