Empresário americano podia estar sendo ameaçado

O secretário da Segurança Pública, Anthony Garotinho, afirmou hoje que a filha de treze anos do empresário norte-americano Zera Todd Staheli disse em depoimento informal à Polícia Civil que, dias antes de o pai ser assassinado, ele teria recebido uma ligação de Londres, em que uma pessoa teria ?reclamado da forma como ele estava tocando o projeto do gasoduto Brasil-Bolívia?.Garotinho pediu a quebra do sigilo telefônico da família para tentar identificar a origem da suposta ligação. ?Ela disse que alguém reclamou e que ele teria se sentido pressionado?, declarou o secretário. De acordo com o subchefe de Polícia Civil, José Renato Torres, a adolescente prestou depoimento mas não o assinou ?por pressão do Consulado dos Estados Unidos?. ?O consulado alegou que ela é menor e precisa estar acompanhada para assinar o depoimento, mas os avós estão nos EUA?, afirmou Torres.Fora o suposto telefonema, a polícia continua sem pistas sobre a autoria do crime. Hoje, peritos voltaram à residência do casal, no condomínio de luxo Porto dos Cabritos, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. Garotinho reafirmou que não houve roubo. ?Realmente é uma situação de bastante complexidade. A polícia não consegue entender como isso pode ter ocorrido dentro de casa, sem que houvesse sido praticado nenhum tipo de roubo. Não foi latrocínio.? Segundo o secretário, havia no quarto do casal um pequeno baú com jóias valiosas, que não foi tocado, e um relógio da marca Rolex de outro do empresário ao lado da cama. Ele informou que a polícia aplicou nos cômodos da casa a substância Luminol, que possibilita a identificação de eventuais vestígios de sangue, e nada foi encontrado.O filho de três anos de Michelle e Zera Todd Staheli estava dormindo entre as pernas do empresário, segundo Garotinho. ?É tudo muito estranho. Estamos tentando desvendar um mistério, uma caso bastante diferente dos habituais?, disse. O garoto não se feriu. De acordo com a polícia, o menino de 10 anos teria encontrado o pai agonizando e a mãe gravemente ferida na manhã de domingo e chamou a irmã mais velha, de 13.Michelle Davis Staheli continua internada no Centro de Terapia Intensiva (CTI) pós-operatório do hospital Copa D?Or em coma profundo. Ela apresenta sinais de dano cerebral extenso, o que verificado por exame clínico e eletroencefalograma.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.