Empresário é acusado de sonegar mais de R$ 20 mi

O empresário Carlos Alberto Bianco, de São Carlos, interior de São Paulo, é suspeito de sonegar entre R$ 20 milhões e R$ 40 milhões em impostos. Ele é dono da empresa de gêneros alimentícios Brimen, que continua funcionando apesar das denúncias de lavagem de dinheiro, sonegação fiscal e formação de quadrilha feitas pela procuradoria da República. O juiz federal na cidade, Márcio Satalino Mesquita, decretou as prisões preventivas de Bianco e sua mulher, Sílvia Inês Calil Bianco, que são considerados foragidos.O advogado de Bianco, Hércules Rother de Camargo, disse que entrou com pedido de revogação das prisões preventivas e que seus clientes, que estariam viajando para visitar parentes, devem comparecer à audiência com o juiz Mesquita, marcada para sexta-feira. A prisão preventiva do casal foi decretada pela juiz em 18 de fevereiro.O empresário, sua mulher e outros dois citados na ação, Hélio José de Brito e Edgard José Mendes Júnior, são investigados por terem, em anos, aberto e fechado empresas, alterando nomes, mencionando endereços e informações falsas para sonegar impostos.Devido às denúncias, 150 funcionários foram demitidos e a direção do Sindicato dos Empregados do Comércio de São Carlos espera que as rescisões contratuais sejam quitadas até segunda-feira, quando vence o prazo para isso. Se o pagamento não for feito, o sindicato deve recorrer à Justiça.A Receita Federal não teria recebido tributos devidos pela empresa Brimen, que continua funcionando. O juiz Mesquita alegou, em sua decisão de prisão preventiva, que a liberdade de Bianco e sua mulher representam ameaça à ordem pública, pois ambos estariam comandando um forte esquema de sonegação tributária e enriquecimento ilícito.Após a expedição de um mandado de busca e apreensão, documentos foram encontrados na casa de Bianco. Com as várias informações obtidas, a Justiça Federal determinou o bloqueio das contas bancárias e colocou em indisponibilidade os bens em nome da empresa, dos empresários, de seus sócios e até de ex-sócios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.