Empresário é libertado após 11 dias de seqüestro em Jundiaí

A Delegacia Especializada Anti-Seqüestro (Deas) de Campinas libertou, na noite de quinta-feira, 5, o empresário do ramo de revenda de veículos G.C, de 55 anos, morador em Jundiaí, seqüestrado há 11 dias. O comerciante foi encontrado em uma chácara na periferia de Ibiúna, na região de Sorocaba. No local utilizado como cativeiro foram presos Fabrício Borges de Oliveira e Felipe de Souza Pinto, ambos de 21 anos. Felipe é foragido da Justiça; ele desapareceu quando recebeu o benefício de indulto no Natal de 2006. Cumpria pena por assaltos e assassinato. De acordo com o delegado assistente, Edson Jorge Aidar, mais pessoas estariam envolvidas no seqüestro. Entre elas o chefe da quadrilha, identificado como Yed Frigo Imad, também foragido da Justiça. A característica particular da quadrilha, segundo a polícia, é a substituição dos membros presos por outros criminosos mantendo a estrutura do grupo. Somente em 2006, de acordo com a polícia, 20 membros da quadrilha foram presos e substituídos. O delegado acredita que o bando já cometeu pelo menos outros 12 seqüestros na região de Jundiaí. O comerciante foi rendido por dois homens armados, dentro de sua loja no dia 26 de março. Os seqüestradores colocaram a vítima dentro do seu próprio carro, um Siena, que foi abandonado logo em seguida, no mesmo bairro. Durante o período do seqüestro o comerciante passou por dois cativeiros, em Bragança Paulista e Ibiúna.

Agencia Estado,

06 Abril 2007 | 15h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.