Empresário é solto do cativeiro. E beija pés dos policiais

O empresário da Capital, Gerson Ramos de Oliveira, de 47 anos, seqüestrado desde terça-feira em um caixa eletrônico, foi libertado nesta sexta-feira em Várzea Paulista, em uma casa da Vila Real, do cativeiro onde era mantido por três homens, sendo um deles menor que havia sido solto da Febem. Emocionado com a chegada dos investigadores Paulo Augusto Junqueira de Carvalho e Trajano de Oliveira, ajoelhou-se e beijou os pés dos policiais civis do Setor de Investigações Gerais (SIG) de Várzea.Gerson Oliveira chorava de e alegria, porque os bandidos anunciaram que seria o seu último dia vivo: ele seria executado no final da tarde, porque a família não tinha conseguido arrumar a quantia exigida para o pagamento do resgate. O valor não foi divulgado pela Polícia. O empresário é ligado ao ramo imobiliário e tem várias empresas na Capital.O investigador Paulinho disse que em toda a sua carreira, nunca se emocionou tanto quanto nesse caso. Trajano disse que resolveu invadir a casa porque vizinhos reclamaram de "movimentação suspeita". A Polícia de Jundiaí investiga agora se outros 12 corpos de desconhecidos no Instituto Médico Legal (IML), vítimas de execuções, não são de pessoas seqüestradas ou desaparecidas.

Agencia Estado,

28 de maio de 2004 | 17h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.