Empresário frustra falsa ação da PF

Quadrilha tentava seqüestro, mas vítima escapou; bando usava fuzis

José Dacauaziliquá, O Estadao de S.Paulo

05 de setembro de 2008 | 00h00

Quatro criminosos vestidos com coletes da Polícia Federal e fortemente armados tentaram seqüestrar um empresário do ramo farmacêutico, anteontem à tarde, em Perdizes, zona oeste de São Paulo. O homem desconfiou da "abordagem" dos "policiais", reagiu e levou uma coronhada na cabeça. Por causa dos pedidos de socorro da vítima, os bandidos abortaram o seqüestro. Na seqüência, eles passaram a ser perseguidos por policiais militares e, para despistá-los, disparam tiros de fuzil. Após o ataque, os criminosos desapareceram, depois de roubar um táxi.A ação começou às 17 horas, quando o empresário foi abordado próximo da esquina da Rua Caiová com a Piracuama. Os bandidos chegaram em um Santana roubado e com placas frias de uma viatura do 66º DP (Vila Aricanduva). Testemunhas, quando viram a agressão contra o empresário, anotaram o número das placas e ligaram para a PM. No cruzamento da Rua Henrique Schaumann com a Rua Teodoro Sampaio, dois PMs das Rondas Ostensivas com Apoio de Motocicletas (Rocam) viram o Santana."Os PMs se aproximaram e os suspeitos colocaram um Giroflex para simular que eram policiais civis. Os PMs insistiram para que o carro parasse. Dois homens colocaram os fuzis para fora e atiraram", contou o major Luís Antonio Jardini, coordenador operacional do 23º Batalhão. Os PMs desceram das motos para se proteger e pedir reforço. Ninguém ficou ferido.O Santana seguiu para os Jardins, onde foi abandonado na esquina da Alameda Tietê com a Rua Augusta. Os policiais encontraram quatro fuzis, cinco pistolas, carregadores, munições, quatro coletes à prova de bala, dois bonés e duas camisetas da Polícia Federal e dois distintivos da Polícia Civil. Os bandidos abordaram um taxista e seguiram para o Itaim-Bibi, na zona sul. A polícia acredita que a quadrilha tenha fugido em um outro carro que dava cobertura. O caso foi encaminhado para o Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.