Empresário havia bebido antes do seqüestro de Daniel

O deputado federal Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP), encarregado pelo partido para acompanhar as investigações do assassinato do prefeito de Santo André, Celso Daniel, informou que o empresário Sérgio Gomes da Silva tomou uma garrafa de vinho durante o jantar com Daniel na sexta-feira, dia 18. O prefeito foi seqüestrado pouco depois de deixar o restaurante, no carro de Silva.Segundo o deputado, o fato do empresário ter ingerido bebida alcóolica justifica as contradições cometidas por ele em dois depoimentos prestados à polícia. "Ele bebeu uma garrafa de vinho, fora que estava levando bala (os seqüestradores estavam atirando no carro que Silva dirigia) e teve toda a tensão do momento. Não se pode transformar a vítima em réu", afirmou o deputado.Greenhalgh contou que, no mesmo jantar, o prefeito Daniel bebeu quatro garrafas de coca-cola. Segundo o deputado, o momento da chegada ao restaurante Rubayat, nos Jardins, a espera pela mesa, o jantar e a saída do local foram registrados pelo circuito interno de TV do restaurante. "Foi um jantar normal, tranqüilo, como qualquer jantar comum", disse ele.O deputado comentou ainda que vai acompanhar, às 15h de hoje, o depoimento que a namorada de Celso Daniel, Ivone de Santana, vai prestar no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Para ele, o provável cativeiro localizado no sábado em Embu por policiais e as evidências (o Santana azul, fios de cabelo branco, pedaço de uma calça bege e terra) afastam a possibilidade de o assassinato de Daniel ter conotação política. "A chance de ser um crime político diminuiu, mas a possibilidade de ele ter sido vítima de um crime organizado, não", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.