Empresário mineiro é libertado após 10 dias de cativeiro

O empresário mineiro Antônio Carlos Braga Ramos, de 38 anos, foi libertado no final da noite de ontem nas proximidades de um shopping da região Noroeste de Belo Horizonte, depois de passar dez dias em poder de seqüestradores. Ramos é filho de um dos sócios da Minas Oil e Petróleo, considerada uma das maiores distribuidoras de combustíveis do País e na qual ele também trabalha. Policiais civis que acompanharam o caso informaram que a família não chegou a pagar o resgate, supostamente de R$ 1 milhão. Os criminosos teriam libertado Ramos por temer que a polícia encontrasse o cativeiro.O empresário foi levado da porta do escritório da Minas Oil, também na região Noroeste da capital, por desconhecidos armados que ocupavam um Fiat Tempra, incendiado e abandonado, pouco depois, em um bairro da perifeira.No início das investigações, delegados do Departamento Estadual de Operações Especiais (Deoesp) da Polícia Civil, especializado em seqüestros, chegaram a suspeitar de vingança ou de relação entre o desaparecimento de Ramos e a chamada "máfia dos combustíveis" - organização que estaria fraudando impostos e adulterando gasolina em Minas. Ramos, que disse não ter sofrido maus tratos, contou, no entanto, que foi vítima de um seqüestro típico, em operação realizada por cerca de 20 criminosos. Em razão da grande movimentação de policiais na região do Anel Rodoviário de Belo Horizonte, onde o empresário estaria sendo mantido pelo grupo, os bandidos teriam desistido do resgate e decidido libertá-lo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.