Empresário pega 21 anos de prisão por morte de promotor

O empresário Luciano do Farah Nascimento, de 31 anos, foi condenado na madrugada desta terça-feira a 21 anos e seis meses de prisão pelo assassinato do promotor de Justiça Francisco José Lins do Rêgo Santos, em 25 de janeiro de 2002. Os sete jurados votaram pela condenação do réu, considerado mandante e co-autor do crime. O advogado de Farah vai pedir novo julgamento. A decisão foi aplaudida pelas cerca de 500 pessoas que estavam no auditório do fórum.De acordo com denúncia do Ministério Público, o réu teria arquitetado e participado do assassinato do promotor, que investigava a chamada "máfia dos combustíveis" em Minas Gerais. Em setembro de 2001, postos da rede West de combustíveis, de propriedade de Farah, acusados de vender gasolina adulterada, foram interditados pelo promotor. A acusação sustentou que o empresário contratou seu office-boy, Geraldo Parreiras, de 26 anos, para saber da rotina dele.No dia do crime, o ex-soldado da Polícia Militar, Edson Souza Nogueira, de 30 anos, que trabalhava para Farah, subiu na garupa de uma moto pilotada pelo empresário e disparou pelo menos 13 tiros contra o promotor. O ex-PM e o office-boy já foram condenados, respectivamente, a 19 e 18 anos de prisão em regime fechado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.