Empresários dizem que vão colaborar com a Prefeitura

Os 12 empresários que estiveram esta tarde reunidos coma prefeita Marta Suplicy (PT), durante almoço no Palácio das Indústrias, deixaram asede do governo municipal afirmando que estão dispostos a colaborar com aprefeitura, em especial na área da Educação. No entanto, eles evitaram detalhar deque maneira a contribuição poderá vir a ser feita.Marta convidou os empresários para um almoço porque pretende conseguir que ascompanhias doem 1% do que pagam de Imposto de Renda para o Fundo Municipal dosDireitos da Criança e do Adolescente (Fumcad), conforme prevê a lei 11.247, deoutubro de 1992. O dinheiro, segundo ela, seria utilizado para a construção decreches na cidade. A prefeita disse que a reunião de hoje foi a primeira de uma série de encontrosmensais que ela quer realizar com os empresários que estiveram presentes, além deoutros quatro que não puderam comparecer.O único dos 12 empresários presentes a assumir claramente o compromisso de doar 1%do Imposto de Renda pago para a prefeitura foi Antônio Ermírio de Moraes, do GrupoVotorantim. "Estamos dispostos a colaborar e a primeira coisa que se discutiu aquifoi exatamente a participação do Imposto de Renda, que pela lei é permitido vocêtirar um por cento na pessoa jurídica. Em vez de pagar o governo federal, vai pagaro governo do município", afirmou Moraes. "Eu tomei esse compromisso com ela (aprefeita). Eu vim para cá (prefeitura) com a coisa estudada", completou.Segundo Moraes, nenhuma empresa fez até aqui essa doação porque os empresáriosdesconhecem a lei. "Ninguém sabia. Tem tanta lei no Brasil que você não pode sabertodas." O empresário Lázaro Brandão, do grupo Bradesco, disse que o encontro de hojecom a prefeita foi "para ver como equacionar os problemas". "Foi muito preliminar.Não se entrou em números", disse ele, que afirmou que o Bradesco pode colaborar coma prefeitura também na área de informática.Paulo Cunha, do grupo Ultra, afirmou que todos os empresários estão interessados nasolução dos problemas de São Paulo. "Vai ser objeto das próximas reuniões. Sugestãoconcreta não houve." Para a prefeita, a reunião foi positiva. "Eu coloquei algunspontos que a cidade tem de estrangulamento, de dificuldade, que foi desde a questãodas creches. Os empresários se prontificaram a doar 1% Imposto de Renda. Isso para aprefeitura vai ser muito bom porque vai nos possibilitar dar conta de pelo menos umagrande parcela das 200 mil falta de vagas que nós temos", afirmou.Para a prefeita, é grande a vontade do empresariado ajudar a cidade. "A vontade deajudar é tão grande no empresariado paulista como é na população de classe média ena periferia." Além de Moraes, Brandão e Cunha estiveram presentes ao almoço osempresários José Mindlin (ex- Metal Leve), Roberto Civita (Abril), Luís FernandoFurlan (Sadia), Cláudio Bardella (Grupo Bardella), Vânia Ferro (3 Com), GuilhermeLeal (Natura), Horácio Lafer Piva (Fiesp), Eugênio Staub (Gradiente) e RicardoSemler (Grupo Semco).O cardápio do almoço incluiu palmito ralado com foie grass, acompanhado de compotade figo, codorna recheada com frutas, purê de mandiquionha com molho de jaboticaba esopa de frutas com sorvete de frutas e de creme. O almoço foi doado pelo buffet doHotel Emiliano, que será inaugurado na Rua Oscar Freire, no Jardins.Anúncio A prefeita deverá visitar esta noite a sede do grupo Votorantim, na PraçaRamos, no centro da cidade. Segundo a assessoria de imprensa de Marta, ela deveráfazer um anúncio importante no local. Moraes, no entanto, não soube explicar qual omotivo da visita de Marta. "Tenho a impressão que ela queria dar uma espiada nojardim que foi arrumado pela Votorantim. Lá estava uma imundice há dois anos. Erahorroroso."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.