Empresários paulistas são assaltados no Rio de Janeiro

Dois empresários paulistas e um amigo carioca permaneceram três horas em poder de assaltantes na madrugada desta segunda-feira, 27, no Rio de Janeiro. Eles tiveram de percorrer caixas eletrônicos e foram obrigados a levar os criminosos para o apartamento em que estavam hospedados, no Leblon, na zona sul, que foi saqueado. As vítimas contaram que não viram policiamento durante o tempo em que rodaram pelo bairro.Sócios numa empresa de consultoria, Paulo Barros Júnior, de 37 anos, e Douglas Pereira Farias de Oliveira, de 36, chegaram de São Paulo no domingo, 26, e foram jantar na casa de um amigo, Hamilton Fonseca Batista, de 34 anos, em Ipanema. Por volta das 23h30, eles saíam do apartamento de Batista, quando foram rendidos na garagem por dois homens jovens. Os três foram obrigados a entrar no carro Peugeot 206 de Batista, recuperado às 5 horas desta segunda, em Copacabana, zona sul."Eles queriam sacar dinheiro no caixa eletrônico. Fomos a uns três caixas, mas era depois das 22 horas e não conseguimos fazer os saques. Falamos, então, que estávamos hospedados aqui (no apartamento de uma amiga de Oliveira). Preferimos falar a verdade logo a ter de voltar atrás e a situação piorar", contou Oliveira.Os assaltantes reviraram o apartamento. Um deles chegou a ameaçar cortar os dedos de Oliveira com uma faca de cozinha. "Foi uma situação de pressão, como eles já haviam feito antes com a arma", disse o empresário. Os assaltantes deixaram o apartamento por volta das 2h30, levando computador, DVD e o dinheiro das três vítimas.Oliveira e Barros Júnior haviam programado passar a semana no Rio. "Não decidimos o que fazer ainda. Passamos a noite em claro", disse Barros, que deixou o apartamento do Leblon com a bagagem. Mais calmo, Oliveira aceitou falar com os repórteres. Ele contou que já havia sido assaltado em São Paulo. "De vez em quando venho ao Rio a trabalho, nunca tive passado por nada assim. Mas não tenho receio de voltar ao Rio", afirmou.Na Delegacia do Leblon, as vítimas reconheceram por foto um homem que pode ter participado do assalto. Segundo policiais é um morador da Rocinha. Peritos do Instituto Félix Pacheco estiveram no apartamento para colher as impressões digitais dos assaltantes.Matéria ampliada às 15h46

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.