Empresários são acusados de roubar energia

O Ministério Público (MP) do Rio de Janeiro denunciou nesta sexta-feira os empresários Francisco Recarey Vilar, Arturo Recarey Vilar e Manuel Pais por furto de energia elétrica e recepção de medidor furtado. No dia 11 de setembro de 2001, funcionários da Light detectaram cabos de fornecimento de energia clandestinos no Mediterraneo Bar e Restaurante, em Ipanema, do qual os três são sócios-gerentes.O MP informou que existem quatro casos de fraude contra a Light envolvendo os espanhóis Arturo e Francisco Recarey. Um medidor da empresa, furtado em agosto do ano passado de um imóvel em Laranjeiras, zona sul, também foi encontrado no local. O aparelho original do restaurante havia sido retirado por falta de pagamento das contas de luz. Os réus poderão ser condenados a até 16 anos de prisão e pagamento de multas.De acordo com o MP, Chico e Arturo já tinham feito um ?gato? na pizzaria Guanabara. Entre julho de 2001 e janeiro desse ano, o medidor do estabelecimento foi adulterado para que registrasse consumo de energia inferior ao real. Nesse caso, ambos foram denunciados por estelionato, crime que pode ser punido com pena de até cinco anos de reclusão e multa.Outra denúncia se refere a furto de aproximadamente 60% da energia consumida pelo bingo 13 de Maio, no centro. Na 5º DP, há registro do mesmo crime na casa noturna Asa Branca, na Lapa, também no centro.A advogada Anamaria Vilela, que representa Chico Recarey, afirmou que seu cliente é ?categórico emafirmar que desconhece qualquer procedimento ilegal naquele estabelecimento (Mediterraneo)?. ?Adireção da casa desconhece o oferecimento da denúncia e só se pronunciará após o comunicadooficial. Os advogados, diante das constantes denúncias, estão tentando apurar de onde elas partem e com que finalidade?, disse Anamaria.Um funcionário da casa noturna Scala, no Leblon, também de Chico Recarey, afirmou que o empresário está viajando.

Agencia Estado,

09 de agosto de 2002 | 19h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.