Empresas aéreas terão auditoria de segurança

As empresas aéreas brasileiras vão ter de passar por auditoria de segurança para poder voar. A informação é da International Air Transport Association (Iata), que diz que o governo brasileiro vai adotar como lei doméstica, a partir de 2009, padrões internacionais da associação. Em 2008, voar pela América Latina foi considerado mais perigoso do que pela África. Ambas as regiões tiveram índice de acidentes cinco vezes superior à média mundial. Na América Latina, foram 2,77 acidentes a cada 1 milhão de vôos. Em 2007, essa taxa foi de 1,76. No mundo, o índice é de 0,77.Nos últimos três anos, a Iata passou a adotar procedimento de auditoria nas empresas aéreas para garantir a segurança no setor. Em menos de dez anos, a taxa de acidentes caiu pela metade. O número total de mortos caiu em 25%. Entre as brasileiras, a TAM é a única que já conta com o selo de qualidade. "Conseguimos convencer o governo brasileiro a adotar, em 2009, os mesmos padrões de auditoria que usamos", afirmou Giovanni Bisignani, diretor da Iata. Na entidade, 210 empresas passarão pelas auditorias. Cerca de 20 podem ser expulsas. Bisignani destaca que a situação da segurança no Brasil "melhorou, mas não é ideal". "Precisamos de um controle civil total sobre a aviação, e não militar", afirmou Gunther Matschnigg, vice-presidente da Iata para segurança.

Jamil Chade, GENEBRA, O Estadao de S.Paulo

10 de dezembro de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.