Romildo de Jesus-Futura Press/Estadão Conteúdo
Romildo de Jesus-Futura Press/Estadão Conteúdo

Empresas, bancos e lojas fecham mais cedo em Salvador

Sistema de transporte colocou 70% dos ônibus em circulação; funcionários de quatro empresas de transporte decidiram não tirar os veículos das garagens nesta quarta-feira, 16

Tiago Décimo, O Estado de S. Paulo

16 de abril de 2014 | 19h34

SALVADOR - A chegada de cerca de 6 mil integrantes da Força Nacional de Segurança e do Exército para fazer o policiamento nas maiores cidades da Bahia, durante a greve da Polícia Militar no Estado, iniciada na noite desta terça-feira, 15, não impediu que escritórios e lojas de Salvador encerrassem o expediente mais cedo, na tarde desta quarta-feira, 16.

Os principais shopping centers da cidade liberaram os funcionários e fecharam as portas às 17 horas, assim como algumas redes de supermercados. Em locais de maior fluxo de pessoas, como no centro, muitas lojas e agências bancárias sequer abriram hoje. Escolas e faculdades não tiveram atividades.

Colaborou para a decisão dos lojistas o anúncio de que os ônibus seriam tirados de circulação a partir das 18 horas na cidade. No início da tarde, os pontos de ônibus da cidade, em especial os próximos do centro e da região do Iguatemi - centro financeiro do município - passaram a registrar grandes filas. Isso porque, além do horário antecipado de saída dos funcionários, o sistema de transporte contou com apenas 70% dos ônibus em circulação. Funcionários de quatro empresas de transporte decidiram não tirar os veículos das garagens nesta quarta.

Depois de uma primeira noite de paralisação da PM marcada por saques a supermercados e lojas, especialmente no centro e em áreas periféricas da cidade, foram registradas mais ações do gênero durante o dia. Alguns saques, registrados por vídeos feitos por moradores do entorno das lojas, podem ser vistos nas redes sociais. Um grupo de oito homens foi preso, por policiais militares que seguem trabalhando, quando realizava um arrastão na orla do Jardim de Alah. Os celulares, joias e dinheiro roubados de pedestres e motoristas que passavam pelo local foram recuperados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.