Empresas de Bauru acionarão Estado por ônibus queimados pelo PCC

As empresas Baurutrans e Grande Bauru, operadoras do transporte coletivo urbano de Bauru, que tiveram cinco ônibus queimados no mês de junho, durante os ataques do Primeiro Comando da Capital (PCC) anunciaram na quarta-feira, 11, que vão processar o Estado pelas perdas sofridas. Ambas contrataram um escritório de advocacia e esperam, em dez dias, terem os prejuízos levantados e entrar com a ação reparadora. Dos cinco veículos atacados em Bauru, quatro eram ano 2006, avaliados em 208 mil cada e um, ano 2000, que valia R$ 130 mil. José Antonio Jacomelli, presidente da Transurb, associação que reúne as três operadoras locais, afirmou que além do valor dos veículos, as empresas deverão cobrar lucros do Estado pelo fato de que há quatro meses aqueles veículos deixaram de produzir.As empresas buscará a responsabilização do Estado por não ter proporcionado a segurança que é o seu dever. Também se levará em consideração que os ataques partiram de pessoas que não deveriam estar atuando fora dos limites do sistema prisional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.