Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Empresas de ônibus podem atrasar 13º

O presidente do sindicato patronal (Transurb), Sérgio Pavani, disse nesta quinta-feira que a entidade não descarta a hipótese de conversar com o sindicato dos condutores e pedir o adiamento do pagamento do 13º salário de motoristas e cobradores para algumas viações.De acordo com Pavani, até a tarde desta quinta nem todos os empresários tinham dinheiro para pagar os funcionários. "As empresas que tiverem recursos ou conseguirem crédito vão pagar, mas, quem não conseguir, vai continuar tentando."Ao todo, os empresários prevêem gastar cerca de R$ 40 milhões apenas com o pagamento do 13º salário. Para aliviar a situação, o presidente do Transurb afirmou que a Prefeitura teria de indicar dois bancos que prestem serviços ao poder público, que fariam empréstimos aos empresários com juros menores.Atualmente, o setor paga, sobre empréstimos, juros bancários de 2,8% a 4%. Segundo Pavani, o pagamento dos empréstimos seria feito pela São Paulo Transportes (SPTrans), com dinheiro das próprias viações. "Em vez de repassar para o empresário, o dinheiro cobriria os empréstimos", ressaltou Pavani."A SPTrans e a Prefeitura não seriam avalistas, apenas iriam descontar esse dinheiro das nossas contas. Não é ilegal."Apesar de afirmar que não vê problemas na transação, até o fim da tarde desta quinta o secretário de Transportes, Jilmar Tatto, não tinha dado uma resposta aos empresários.Além disso, Pavani afirmou que um novo reajuste da tarifa ajudaria o empresário a conseguir empréstimos. "Os bancos olhariam nossas planilhas e veriam que nós temos condições de pagar", disse.Apesar de o estudo que vai indicar a nova tarifa de ônibus não estar pronto, técnicos da SPTrans acreditam que o valor da tarifa ficará entre R$ 1,75 e R$ 1,80. O valor seria influenciado pelo reajuste previsto para a próxima semana no Grande ABC. Segundo estimativas, a passagem em algumas cidades pode chegar a R$ 1,80.A prefeita Marta Suplicy (PT) descartou nesta quinta elevação da tarifa para R$ 1,91, dizendo que o valor não passa de "delírio". A prefeita não quis comentar qual será a nova tarifa nem quando poderia começar a vigorar. Ela afirmou que a Prefeitura ainda está avaliando as planilhas.Disse ainda que será uma tarifa "justa". "Vamos fazer o mais baixo possível."Sobre a possibilidade de a Prefeitura avalizar eventuais empréstimos para empresários para garantir o pagamento do 13º salário, Marta foi rápida: "Nem pensei nisso."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.