Empresas pedem indenizações sobre ataques a ônibus

As concessionárias VB Transportes e Turismo e Expresso Campibus, de Campinas, entraram nesta sexta-feira, 27, com ações para pedir R$ 2,2 milhões de indenização contra o governo do Estado de São Paulo, por prejuízos causados a seus caixas durante os ataques a ônibus promovidos em maio e julho deste ano em todo o Estado. As empresas não falam na autoria dos ataques, atribuídos pelas forças de segurança do Estado ao Primeiro Comando da Capital (PCC). Pelo menos 30 veículos foram destruídos em Campinas. As ações serão julgadas na Vara da Fazenda Pública de São Paulo. O governo do Estado informou, por meio de assessoria de imprensa, que a Procuradoria Geral do Estado vai aguardar a notificação para se pronunciar a respeito. A Expresso Campibus entrou com uma ação indenizatória de R$ 2 milhões, por prejuízos decorrentes de ataques a 12 ônibus. A ação foi baseada em laudos periciais sobre os veículos incendiados, feitos por empresas especializadas. A VB Transportes e Turismo pede R$ 200 mil pela destruição de um ônibus e aguarda laudos para entrar com outra ação, por mais cinco veículos. A concessionária Itajaí Transportes e Turismo estuda a possibilidade de também reclamar judicialmente. Segundo informou a Transurc, a associação das permissionárias do transporte coletivo urbano de Campinas, ocorreram 13 ataques em maio e outros 17, em julho.

Agencia Estado,

27 de outubro de 2006 | 20h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.