Empresas são acusadas de abandonar trabalhadores no exterior

Duas empresas de viagens e consultoria estão sendo acusadas pela Polícia Federal de aplicarem golpes em candidatos a um emprego no exterior. As agências IC Consultoria Internacional e Globaltur Viagens e Turismo estiveram estabelecidas em São Paulo e Sorocaba entre 1999 e o início deste ano. Os escritórios foram fechados depois que a PF efetuou a apreensão de documentos e materiais que confirmam o golpe. As vítimas podem ser mais de 200 e muitas delas foram abandonadas em países como Japão, Espanha e Portugal. A fraude causou constrangimento ao governo brasileiro, pois muitos dos que viajaram para trabalhar foram considerados clandestinos pelos serviços de imigração e tiveram de ser repatriados. A denúncia foi encaminhada pela Procuradoria da República à Justiça Federal de Sorocaba. Pode ser pedida a prisão dos responsáveis pelas empresas. Segundo a procuradora Elaine de Sá Proença, as vítimas eram aliciadas através de anúncios em jornais de grande circulação. Elas pagavam para conseguir um emprego fora do Brasil. Quando chegavam ao destino, no entanto, descobriam que o trabalho não existia e eram interceptadas pelos serviços de imigração. Além do prejuízo financeiro, passavam pelo constrangimento de serem mandadas de volta. A PF de Sorocaba começou a investigar o caso ao notar um aumento nos pedidos de vistos de turistas para a Europa, principalmente Portugal e Espanha. Os policiais passaram a fazer entrevistas com as pessoas que procuravam o órgão para obter o passaporte e descobriram que, embora viajassem para trabalhar, não tinham o visto de trabalho expedido pelas representações diplomáticas de cada país no Brasil. Também foi apurado que muitos dos que viajaram não retornaram e permanecem como clandestinos na Europa ou Japão. Os responsáveis pelas empresas vão responder pela prática de crime de aliciamento para o fim de imigração, cuja pena vai de 1 a 3 anos de prisão, e terão de indenizar os trabalhadores lesados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.