Enchentes deixam cidades do AM em estado de emergência

O governo do Amazonas homologa na segunda-feira decretos de situação de emergência de quatro municípios já atingidos pela enchente do rio Madeira. Os prefeitos dos municípios de Lábrea, Pauini, Humaitá e Manicoré emitiram os pedidos ao governo estadual neste domingo.Em outubro do ano passado, com a seca dos rios do Amazonas, foi decretado estado de calamidade pública no Estado. Humaitá, na calha do rio Madeira, a 1.368 quilômetros de Manaus em linha reta, agora entre os atingidos pela enchente, foi um dos primeiros a entrar na lista de calamidade pública por conta da estiagem.Segundo a assessoria do governo do Estado, com o decreto de emergência, as prefeituras podem fazer compras sem licitação para prestar socorro às pessoas atingidas.O prefeito de Humaitá, Roberto Rui Guerra, declarou que há duas semanas a população está vivendo em estado de alerta e já há 45 famílias desabrigadas. Além disso, 40 das 107 escolas da área rural foram fechadas para a segurança das crianças, que poderiam ser atacadas por jacarés e cobras nas canoas ou pátios à beira do rio.De acordo com a assessoria do governo estadual, a partir de segunda-feira, serão enviados via aérea e fluvial alimentos e medicamentos para os ribeirinhos. Quando os rios voltarem ao nível normal, a população deve receber ajuda para reconstruir suas casas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.