Enchentes triplicam número de doentes no Maranhão

Municípios chegaram a registrar quase 7 mil consultas e 350 internações em um mês

AE, Agencia Estado

19 de maio de 2009 | 08h19

O número de casos de doenças como hepatite, leptospirose, dengue, diarreia e gripe aumentou consideravelmente em cidades do Maranhão atingidas pelas cheias dos rios, de acordo com balanços de Secretarias Municipais de Saúde. Em Trizidela do Vale, a 226 quilômetros de São Luís, o número de internações e de atendimentos do Programa de Saúde da Família (PSF) triplicou. Em Pedreiras, município vizinho, o número de internações aumentou no mesmo ritmo.

Em Trizidela do Vale, o PSF realizava cerca de 2,2 mil atendimentos por mês. Com a inundação de 90% da cidade, nos últimos 30 dias, foram 6,8 mil consultas. Nesse período foram realizadas 350 internações no Hospital Municipal Doutor João Alberto. "Para atender tanta gente, fomos obrigados a diminuir o tempo de permanência das pessoas no hospital", diz a secretária de Saúde de Trizidela do Vale, Ediuene Sousa.

Em Pedreiras, em 30 dias, 730 pessoas foram atendidas com doenças ligadas diretamente às enchentes. Foram registradas 12 internações por hepatite A e dois casos de leptospirose. "Em períodos normais, registrávamos, por exemplo, menos de quatro casos de hepatite A por mês", comparou o secretário de Saúde, José Lima.

Dos dois hospitais de Trizidela do Vale, um ficou alagado e os atendimentos, em 30 leitos, foram concentrados em apenas uma unidade. Em Pedreiras, o hospital infantil, com 35 leitos, foi interditado. Os atendimentos estão concentrados no Hospital Geral do município, com capacidade para 45 leitos. De acordo com a Defesa Civil do Maranhão, subiu para 116 mil o número de desabrigados e desalojados no Estado e para 338 mil os afetados. São 93 cidades em situação de emergência.

 

Buscas

 

Além das doenças e dos alagamentos, os órgãos de defesa do estado estão lidando com desaparecimentos ocasionados pelas enchentes. Cerca de 10 homens do Corpo de Bombeiros do Maranhão e Defesa Civil, com o apoio de um grupo de bombeiros de São Paulo, retomaram nesta terça-feira, 19, as buscas por dois homens desaparecidos.

 

No Rio Mearim, três embarcações estão à procura do corpo de Gilson Ferreira, de 28 anos, desaparecido em Bacabal desde a tarde de domingo. A canoa em que Ferreira estava virou próxima a uma passarela metálica. Duas pessoas que estavam com ele na embarcação conseguiram se salvar. A correnteza forte dificulta o trabalho das equipes de resgate.

 

O corpo de outro homem de identidade ainda desconhecida também está sendo procurado, em Anapurus, desde a manhã de segunda-feira, segundo informações da Defesa Civil Estadual.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.