Encontrado adolescente que queria se juntar às Farc

O estudante Alexandre de Donato, de 14 anos, foi encontrado no fim da tarde de hoje pela Polícia Federal (PF) em Manaus (AM). Ele foi levado para a Superintendência da PF no Estado e deverá retornar amanhã ao Rio. O comandante da embarcação na qual o adolescente viajava desde Belém (PA) avisou à Capitania dos Portos local. A mãe de Alexandre, Catarina Paccagnela, deve embarcar ainda a hoje do Rio para buscar o filho.O adolescente fugiu de casa há uma semana supostamente com a intenção de se juntar às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), como mostrou o Estado na quarta-feira. Ele teria viajado a Belém para chegar à Colômbia. Catarina falou com o filho pelo telefone e disse: "o amo muito e ele será muito bem acolhido em casa, como sempre foi". Segundo ela, o objetivo da família é intensificar o tratamento psicológico de Alexandre, que de acordo com a mãe ele já fazia, e monitorá-lo "24 horas por dia, com proteção e carinho" para evitar novas fugas. A mãe explicou que ele estava nervoso e disse pelo telefone apenas que o filho "está inteiro".Segundo informações da Polícia Federal em Manaus, Alexandre negou que tivesse indo para a Colômbia. Ele teria pegado o barco em Belém e, de lá, seguido para Santarém (PA), de onde tomou uma outra embarcação para o Amazonas. Manaus é considerada rota para a Colômbia e, portanto, a polícia acredita que o adolescente realmente tinha intenção de chegar àquele país.O coordenador das Unidades de Projetos Especiais da Polícia Federal, Mauro Spósito, que avisou a família que o adolescente havia sido localizado em Manaus, negou ontem a possibilidade do envolvimento do colombiano Olivério Medina no desaparecimento.Medina é o nome adotado pelo ex-padre Francisco Cadena depois que se juntou às Farc. No fim da década de 90, ele se apresentava como espécie de embaixador informal das Farc no Brasil. Medina foi preso em 2000 e atualmente dirige o Centro Cultural Brasil-Colômbia. "Ele está no Brasil como refugiado e nesse caso específico não tem nada a ver com isso", garantiu Spósito. O delegado não acredita que Alexandre esteja recebendo ajuda das Farc. "Por que as Farc iriam querer levar um menino brasileiro para lá? O que eles menos querem é arranjar complicação com o Brasil", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.