Encontrado mais um cemitério clandestino no Rio

Policiais da Delegacia de Repressão a Armas e Explosivos (DRAE) encontraram nesta sexta-feira um cemitério clandestino no Morro do Fubá, em Campinho, zona norte. Segundo a Polícia, havia pelo menos quatro esqueletos no alto da favela, num lugar conhecido como Pedra Rachada. Cerca de 50 agentes participaram da operação, que tinha como objetivo reprimir o tráfico de armas. Os policiais utilizaram um helicóptero. Houve tiroteio com os traficantes, mas ninguém foi ferido ou preso. Por volta de 9h30, os 25 policiais da DRAE começaram a subir o morro e, segundo eles, foram recebidos a tiros por cerca de 15 traficantes. O helicóptero e outros policiais foram chamados para reforçar a segurança na operação. Os criminosos seguiram em direção ao alto do morro, onde tem uma mata, e quando a polícia foi atrás, encontrou as ossadas entre duas rochas. De acordo com a DRAE, o morro do Fubá é controlado pelos traficantes William Marcelino da Silva, o William Negão, de 37 anos, e Edmílson dos Santos, o Estrelinha, de 36 anos. Contra Silva já existem três mandados de prisão. Os esqueletos foram encaminhados para o Instituto Médico-Legal, onde seriam periciados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.