Encontrado mais um corpo de mulher em Tamandaré

Apesar do trabalho da Justiça e da polícia, que prendeu 13 homens acusados da morte de mulheres na região de Almirante Tamandaré, na região metropolitana de Curitiba, ontem à tarde foi encontrado o 18º corpo desde agosto de 99. A empregada doméstica Cleuza Aparecida Ferreira, 30 anos, estava desaparecida desde a noite de sábado, quando foi vista deixando uma casa de baile na garupa de uma motocicleta. Seu corpo foi encontrado por um pedreiro em meio a uma plantação de soja."Vamos verificar se se trata de queima de arquivo ou tentativa de descaracterizar o nosso trabalho", disse a delegada responsável pela investigação das mortes, Vanessa Alice. Ela trabalha com a hipóteses de que as mulheres tinham, de uma ou outra forma, ligação com o crime organizado e poderiam ter sido mortas por saberem demais ou por terem dívida com traficantes. Diferente de outros corpos encontrados, o de Cleuza ainda não estava em decomposição.A moça estava sem a blusa, que foi utilizada para enforcá-la. Ela também recebeu uma pancada na cabeça. Próximo ao corpo a polícia encontrou uma corda usada para prender objetos em moto e pedaços de um pisca-pisca. Ainda ontem um motoqueiro suspeito do crime foi preso. A polícia ainda não divulgou seu nome, pois está fazendo investigações. Também foi preso Sebastião Alves do Prado, dono de um bar em Almirante Tamandaré. Ele é acusado de ter feito ameaças à delegada. Com ele foram encontrados dois punhais, um facão, uma espingarda, um revólver e munição.Das 13 pessoas que foram presas até agora, acusadas de envolvimento com a morte das mulheres e com o crime organizado na região, seis são policiais militares, um era escrivão na delegacia de Almirante Tamandaré e outro era funcionário público municipal cedido para a delegacia. A delegada calcula que mais de 50 pessoas fazem parte da quadrilha. A Justiça decretou a prisão de 17.No sábado tinha sido encontrada uma ossada no município de Itaperuçu, que fica na mesma região. Segundo a perícia, a pessoa foi morta com dois tiros na cabeça. Os primeiros exames apontam que a ossada pertence a uma pessoa do sexo masculino. A polícia não descarta a possibilidade de essa morte também estar ligada com o crime organizado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.