Encontrados carro e armas que podem ser de seqüestradores de Olivetto

Policiais militares da 4ª Companhia do 27º Batalhão acreditam ter localizado um dos veículos e parte do armamento utilizados pela quadrilha responsável pelo seqüestro do publicitário Washington Olivetto, em ação ocorrida por volta das 19h30 dia 11 de dezembro do ano passado, em uma falsa blitz de homens que utilizavam coletes da Polícia Federal, na Praça Marechal Cordeiro de Farias, próximo da Avenida Angélica.Às 21h da noite de ontem, funcionários do estacionamento Estapark, localizado na avenida São Gabriel, nº 605, no Itaim Bibi, zona Sul da cidade de São Paulo, acionaram a Polícia Militar. Uma picape Corsa prata, placas CRB 2313/SP, sem queixa de roubo, foi deixado no estacionamento, por dois homens, no dia 9 de fevereiro. Na noite de ontem, um dos funcionários da garagem, já desconfiado do veículo, estacionado e praticamente abandonado há 76 dias, notou que as portas estavam destrancadas e viu, através do vidro, a ponta de uma arma no interior do carro.Quando chegaram ao local, os policiais abriram o Corsa e nele encontraram 5 pistolas, sendo 4 calibres 9mm e uma Colt calibre 11.25mm; um fuzil de fabricação norte-americana, um revólver calibre 38, um gorro ninja, três gorros comuns, quatro chapéus, três coletes da Polícia Federal e fitas adesivas. O armamento estava espalhado por baixo dos bancos, no porta malas e no porta-luvas. "Pelo que encontramos, o tipo de armamento, as fitas adesivas e os coletes da Polícia Federal, há 90 por cento de chances de que o carro e as armas tenham sido deixados por integrantes da quadrilha que seqüestrou Olivetto.", afirmou o soldado Cléber Gomes de Alexandria, o primeiro a chegar no estacionamento.Outros fatores levam a polícia a acreditar nessa hipótese. O soldado disse que, segundo relato do funcionário do estacionamento, os dois homens que deixaram o Corsa na garagem, no dia 9 de fevereiro, ou seja, 7 dias após o fim do seqüestro, pagaram por dois meses de estadia antecipados e ambos falavam espanhol. Um dos homens era cabeludo e outro procurava esconder o rosto o máximo que podia. Passados 60 dias e vencidos os dois meses, o veículo permaneceu mais duas semanas sem que ninguém fosse até o estacionamento para retirá-lo ou pagar pela permanência do Corsa na garagem. O veículo e as armas foram encaminhados para o 15º Distrito Policial, do Itaim Bibi, onde prosseguirão as investigações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.