Encontrados possíveis destroços de avião desaparecido no Recife

O 2º Comando da Aeronáutica (Comar) anunciou, no início da tarde desse domingo, a descoberta de destroços que podem ser do avião Xavante AT-26 da Força Aérea Brasileira (FAB), desaparecido desde a última sexta-feira, após decolar da base da Aeronáutica no Recife para um vôo de testes em equipamentos. De acordo com informações do Comar, destroços de um aparelho com dimensões similares as do Xavante AT-26 foram localizados no fundo do mar, por volta do meio-dia de hoje pela Marinha. O equipamento está a 33 metros de profundidade, a cerca de 74 km à frente do Porto de Suape, localizado no Grande Recife. O avião estava sendo pilotado pelo tenente-coronel José Luiz Maria, que ainda não foi encontrado.Segundo a Aeronáutica, os destroços foram detectados através de um sonar de um navio de treinamento da Marinha. Mergulhadores do Corpo de Bombeiros e da Marinha estão neste momento iniciando uma operação de exploração no local. De acordo com o capitão da Marinha Clodoaldo Ferraz, os destroços são das dimensões da aeronave desaparecida e estão numa possível rota de vôo. O local onde foram localizados os destroços fica distante da costa e a expectativa é de que os mergulhadores só consigam chegar no ponto exato no início da noite.Quando desapareceu, o Xavante AT-26 estava sendo pilotado pelo tenente-coronel José Luiz Maria, que decolou sozinho da Base Aérea do Recife, por volta das 13h45 da sexta-feira, para fazer testes de rotina de cerca de duas horas sobrevoando o mar. Cerca de meia hora após a decolagem o avião perdeu o contato com a torre de comando. O caça é usado para a formação de novos pilotos. A aeronave tem autonomia de duas horas de vôo e capacidade para duas pessoas. O modelo foi fabricado na década de 70 e é considerado seguro pelos especialistas militares. Familiares do tenente-coronel José Luiz estão apreensivos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.