Encosta cai e soterra dois operários em Petrópolis

Dois operários morreram nesta quarta-feira de manhã com a queda de uma encosta no bairro de classe média do Quitandinha, em Petrópolis, na região serrana. Luiz Antônio da Costa, de 54 anos, e Alexandre Martins, de 16 anos, ficaram soterrados depois que a terra cedeu nos fundos de uma casa. Nos últimos dois dias, a Defesa Civil de Petrópolis registrou 53 chamadas, sendo 27 sobre queda de barreiras. Cinqüenta e oito pessoas estão desalojadas, a maioria abrigadas nas casas de parentes.Costa e Martins trabalhavam com outros dois operários, que não se feriram, na construção de um muro de contenção. Eles cavavam um buraco, quando foram surpreendidos pelo deslizamento. A Secretaria de Obras embargou a construção e está verificando se o dono da casa tinha licença para construir, segundo informou a prefeitura. Um laudo da perícia vai dizer as causas do acidente, já que fez sol na cidade. O Comitê de Ações Emergenciais do município fez um alerta para que a população denuncie obras irregulares. Segundo cálculos da prefeitura, existem 100 mil imóveis na cidade. AlagamentoEm Teresópolis, a duas horas de Petrópolis, a chuva quecaiu pela madrugada, deixou várias famílias desabrigadas. Os bairros mais atingidos foram os da zona rural, onde houve alagamento. Algumas famílias ficaram ilhadas em suas casas à espera de resgate. Apesar disso, a Defesa Civil não registrou mortos nem desaparecidos. A tempestade também destruiu muitas plantações na cidade serrana, e o Centro de Abastecimento do Estado do Rio de Janeiro (Ceasa), que recebe frutas, verduras e legumes, pode ficar prejudicado. Teresópolis fornece quase 80% da produção de hortifrutigranjeiros da capital. Em Friburgo, também na Região Serrana, a Defesa Civil registrou 63 chamados. Três casas foram interditadas por estarem em área de risco e 12 pessoas estão alojadas em casas de parentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.