Engenheiro acusado de pedofilia dizia ser pediatra

Marcelo Barbosa também garantia às mães das vítimas que elas teriam promissora carreira de modelo, segundo parentes de crianças abusadas

Camilla Haddad, O Estadao de S.Paulo

10 de setembro de 2008 | 00h00

O engenheiro eletricista Marcelo Adriano Barbosa, de 42 anos, detido na sexta-feira acusado de abusar de crianças e adolescentes, apresentava-se como pediatra para as mães das vítimas e garantia às meninas promissora carreira de modelo. A polícia tomou conhecimento das informações ontem, após os depoimentos de parentes de três adolescentes e de uma criança de 4 anos que aparecem em vídeo sendo abusadas.O delegado Ubiracyr Pereira da Silva, do Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic), que recebeu de uma testemunha uma fita VHS com as imagens de abuso, contou que as adolescentes entregavam panfletos nos faróis, quando foram abordadas por Barbosa em um carro de luxo. Ele dizia ser agenciador de modelos. Após ganhar a confiança das garotas, visitava as mães e dizia também ser médico e ter contato com amigos do setor da moda."São meninas simples que, de repente, encontram um príncipe que caiu do céu. Ele (Barbosa) prometia fazer delas manequins e era com esse argumento que ele fazia as garotas tirarem a roupa no seu apartamento na Mooca", disse Silva. Barbosa foi detido em sua casa. As vítimas que aparecem na gravação foram identificadas. São três adolescentes (duas irmãs e uma prima) com idades de 12,14 e 16 anos e a criança de 4 anos. As adolescentes moram em Guaianases, também na zona leste de São Paulo. Outras 14 fitas ainda serão analisadas. De acordo com o delegado, a adolescente de 16 anos chegou a namorar Barbosa com o consentimento da mãe, que não sabia da prática de abusos contra sua outra filha. "Ainda bem que ele (Barbosa) não está aqui no Deic, senão não sei do que seria capaz de fazer", desabafou a mãe.A garota de 4 anos é parente de uma mulher formada em Letras, de 38 anos, que namorou Barbosa há cerca de dois meses. Segundo Silva, essa família é de classe média, mas ele não revelou o bairro. O delegado contou que a moça disse ter conhecido o engenheiro em uma clínica onde trabalha. Logo depois, começaram a namorar. No Orkut, o engenheiro viu sua afiliada de 4 anos. Ele disse que a menina era "bonitinha" e, por isso, a mulher levou a criança em sua casa algumas vezes.Ela disse que, por duas vezes, a afiliada ficou a sós com Barbosa. No vídeo, a criança aparece sendo abusada duas vezes. "A ex dele ficou horrorizada. Todos os parentes das demais mostraram repugnância", disse Silva. Barbosa está detido no 77º DP (Santa Cecília), onde cumpre prisão temporária de 30 dias. Ao advogado, Fernando Canizares, ele alegou inocência. Acusado de atentado violento ao pudor, ele tem dois filhos, de 8 e 21 anos, e namorava uma mulher havia dois anos e meio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.