Ensino fundamental tem poucas matrículas em SP

Apenas 50 mil pessoas fizeram até agora a matrícula antecipada de crianças e adolescentes que querem ingressar no ano que vem no ensino fundamental nas escolas das redes estadual e municipal de São Paulo. A meta da Secretaria de Estado da Educação era atingir a marca das 150 mil inscrições. Os jovens não cadastrados correrão o risco de conseguir vagas somente em escolas distantes de suas casas. Iniciada no dia 2, a fase das matrículas antecipadas termina sexta-feira. A secretaria reconhece que a campanha de divulgação sobre o cadastramento foi afetada este ano pela lógica das eleições e pelo cuidado em torno da candidatura do governador Geraldo Alckmin. "Os spots (comerciais de TV) já estavam prontos", diz a diretora do Centro de Informações Educacionais (CIE), órgão da secretaria, Amanda Mandel. "Fizemos uma consulta ao Palácio do Planalto e decidiu-se não fazer tanta propaganda." Ela diz porém que "todos os meios legais de divulgação" foram usados. Com a matrícula antecipada, as escolas podem planejar com antecedência a demanda de vagas da 1.ª à 8.ª série. As crianças não cadastradas com antecedência "talvez não sejam alocadas em escolas tão próximas de casa ou do trabalho dos pais", acrescenta Amanda. Todas as escolas - municipais e estaduais - estão abertas para inscrições. Quem já está na rede este ano tem sua vaga assegurada. Estado e prefeituras analisam a partir de outubro a demanda por vagas e só depois efetivam a matrícula. A expectativa é de que 60 mil jovens sejam cadastrados até sexta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.