Enterrada a 47ª vítima de confrontos contra o tráfico no Rio

Filha da vítima, de 11 meses, estava em seu colo durante tiroteio e foi atingida; bebê pode ter braço amputado

Pedro Dantas, O Estado de S. Paulo

26 de outubro de 2009 | 18h56

Foi enterrada nesta segunda-feira, 26, no Rio, Ana Cristina Costa do Nascimento, de 24 anos, a 47ª vítima dos confrontos iniciados dia 14, após a queda de um helicóptero da Polícia Militar. Além dela, pelo menos cinco outras pessoas inocentes já morreram nos confrontos. Nesta segunda, 200 pessoas participaram do enterro no Cemitério de Irajá (zona norte).

 

Mãe chora sobre o caixão de filha durante o enterro. Foto: Marcos de Paula/AE

 

Veja também:

linkTraficantes invadem igreja para vigiar polícia

mais imagens Blog da Foto: Notícias de uma guerra não tão particular

 

Moradores protestaram e foram dispersos com spray pimenta por policiais militares. A filha de Ana Cristina, de 11 meses, que estava em seu colo, também foi atingida durante o tiroteio e está internada em estado grave. A criança pode ter o braço amputado.

Um tiro acertou mãe e filha na entrada da Favela Kelson''s, na Penha, zona norte, ontem à noite. As cinco pessoas que acompanhavam as vítimas, entre elas o pai, afirmam que a bala partiu de uma viatura do 16º Batalhão de Polícia Militar de Olaria, que entrou na comunidade atirando. Um projétil atravessou as costas da Ana Cristina Costa do Nascimento, de 24 anos, saiu pelo peito e atingiu o braço de Caienny, que estava no colo da mãe.

O bebê permanece em estado grave no Hospital Getúlio Vargas. A Secretaria Estadual de Saúde informou que ainda é cedo para saber se o braço da menina será amputado ou terá sequelas. A avó materna teve uma crise após ouvir a notícia da morte da filha pelo rádio.

De acordo com a PM, os policiais foram atacados a tiros por traficantes, não revidaram e socorreram as vítimas. Nesta segunda, a 22ª Delegacia de Polícia da Penha realizou uma reconstituição do crime.

Tudo o que sabemos sobre:
violênciaRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.