Enterro de vítimas de bobinas pára cidade

A cidade de Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte, parou nesta quarta-feira durante o enterro de nove vítimas do trágico acidente ocorrido na manhã desta terça-feira, na MG-020, que liga o município à capital. Um ônibus urbano da linha 5510, que levava 33 passageiros, foi atingido por duas bobinas de aço de 12 toneladas cada uma, que se soltaram da carroceria de uma carreta que trafegava em sentido contrário. O prefeito de Santa Luzia, Antônio Calixto, decretou luto oficial de três dias, e o comércio ficou fechado por todo o dia, na cidade. A Prefeitura informou, nesta segunda-feira, que 13 pessoas haviam morrido no acidente. Nesta quarta-feira, no entanto, a lista completa das vítimas fatais, divulgada pelo Instituto Médico legal, apresentou 11 nomes. No Hospital João XXIII, no centro de Belo Horizonte, quatro feridos graves, de um total de 23 pessoas que precisaram de cuidados médicos, permaneciam internados.Até o início da noite, a menina Raquel Fonseca Murta, de apenas quatro meses, corria sério risco de vida, em um leito da Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). O delegado Guilhereme Bravo, que investiga o acidente, disse que há indícios de que as bobinas, transportadas pela empresa Dionello para a siderúrgica Usiminas, teriam sido presas de forma inadequada à carreta. O veículo teria invadido a pista em que estava o ônibus, segundo o motorista do coletivo.O representante da Dionello, Marco Antônio Vasconcelos, negou qualquer irregularidade. Ele disse que a carga foi colocada segundo os procedimentos normais de segurança. De acordo com Vasconcelos, o ônibus é que teria se chocado com a carreta e, por isso, as bobinas se soltaram. Familiares das vítimas anunciaram que pretendem processar a transportadora pela perda dos parentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.