Entidade que diz evitar chuvas rompe convênio com o Rio

Entidade dirigida por médium afirma ser capaz de evitar temporais de grandes proporções

Fábio Grellet,

14 Janeiro 2013 | 19h54

RIO DE JANEIRO - A Fundação Cacique Cobra Coral, entidade dirigida pela médium Adelaide Scritori e que afirma ter o poder de "intervir nos desequilíbrios provocados pelo homem na natureza", rompeu um convênio que mantinha desde 2001 com a Prefeitura do Rio para "prestação de assistência técnica meteorológica".

Por meio do convênio, que era gratuito, a fundação se comprometia a "minimizar a ocorrência de possíveis fenômenos climáticos adversos na cidade do Rio de Janeiro". A entidade afirma ser capaz de evitar temporais de grandes proporções.

Segundo a fundação, que também já manteve convênio com a Prefeitura de São Paulo, o rompimento ocorreu porque a Prefeitura do Rio deixou de entregar, no prazo previsto, um balanço dos investimentos em prevenção de enchentes e deslizamentos realizados ao longo de 2012 na cidade. A Prefeitura do Rio afirmou que o rompimento, anunciado no domingo, 13, foi unilateral e que não vai se manifestar sobre o tema.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.